quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

domingo, 18 de janeiro de 2009

A mídia não sabe avaliar o mundo gospel


Estive lendo um artigo num desses jornais on-line entrevistando uma cantora evangélica (que eles chamam de cantora gospel), que prefiro não citar o nome, e pude perceber que o critério de julgamento deles é completamente mundano e destituído da sabedoria da Palavra de Deus, para tal julgamento. O jornal exalta a cantora por muitas conquistas e ela própria afirma que vai conquistar muito mais. Ora, se a própria cantora não sabe se avaliar pelos critérios bíblicos para afirmar que as glórias do mundo nada é, e que o que importa é o que Deus acha do trabalho dela, e que a recompensa dela vem de Deus, muito menos o jornal vai saber distinguir a glória do mundo e a glória que vem de Deus. Estamos vivendo momentos de “glórias”, mas são as glórias que vêm do mundo e não de Deus. Muitos cantores gospel estão sendo exaltados pela mídia e eles por falta de conhecimento bíblico, ou por vaidade, ou pecado não sabem transferir a glória para Deus e nem sabem fugir desses assédios da mídia, que é normal no meio artístico. Isso é patético, e oro para que o Senhor não permita que cheguemos ao tempo em que veremos os cantores evangélicos confundidos com os cantores seculares.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Atitudes Sábias e Espirituais de Quem se Encontra no Deserto

(Mc 7.24-30)
Há uma história muito especial na Palavra, de uma mulher que não fazia parte dos filhos de Israel, nem se quer fazia parte dos filhos perdidos da casa de Israel. Essa mulher era grega, de origem siro-fenícia, o que quer dizer que ela não estava na lista de prioridade do Senhor, pois Ele veio primeiro para o que era seus, apesar de que os seus não O receberam, como diz a Palavra (Jo 1.11). Sorte nossa, pois, “a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome” (Jo 1.12). Esta siro-fenícia estava passando por um deserto sem precedentes em sua vida. A dor e a vergonha faziam parte da sua rotina, pois tinha uma filha possessa por um demônio que lhe causava muito sofrimento. Não se sabe exatamente a intensidade deste sofrimento, mas quem tem uma filha possuída por um demônio não sofre menos do que alguém com a alma dilacerada pela dor. Quando o Senhor Jesus chega à cidade desta mulher, mais do que depressa ela vai buscar ajuda diante do Mestre. Ela rogava para que Jesus expelisse da sua filha o demônio. O Senhor dá uma explicação a ela que Ele deveria socorrer primeiro os filhos de Israel e só depois teria tempo para os não-judeus. Ela tenta dissuadi-Lo e pede socorro com muita insistência. E consegue a atenção do Mestre. Jesus fica admirado com a fé da mulher e a socorre curando a sua filha. O demônio saiu da garota e a história daquela mulher mudou. Imagine a dor de uma mãe ao ver a sua filhinha se contorcendo por causa de um demônio, ao ver a sua filha quebrando tudo dentro de casa, ao ver essa mesma filha sendo lançada no fogo ou na água. Mas agora tudo mudou, agradecia aquela mulher a Deus. Se analisarmos direitinho a sua história poderemos tirar algumas lições para a nossa vida.
1) A mulher reconheceu a gravidade do seu problema e buscou socorro na pessoa certa(24,25).
2) A mulher se humilhou diante de Jesus, colocando a boca no pó(25).
3) A mulher rogava - ela rogava que Jesus a socorresse, que o Senhor expelisse da sua filha o demônio. Ela rogava insistentemente(26)
4) A mulher deu uma grande demonstração de fé(28)
Você que se encontra enfermo ou com algum outro problema grave, à semelhança daquela mulher que tinha de suportar a dor de muitas vezes ver a própria filha sendo atormentada por demônios, clame como ela fez. Ela colocou a boca no pó, se humilhou diante do Senhor Jesus, e por isso encontrou o favor de Deus. A mulher orava insistentemente pois esperava ver a sua filha curada. Somente alguém com tamanha fé consegue a benção de Deus. O Senhor tem muitas bênçãos para nos dar, nós é não estamos ainda preparados para recebê-las