quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Nomes Bíblicos para os Decretos Divinos

Das obras puramente divinas de Deus (opera ad intra) devemos distinguir as que redundam diretamente nas criaturas (opera ad extra). Para evitarem mal-entendidos, alguns teólogos preferem falar em opera immanentia e opera exeuntia, e subdividem a primeira categoria em duas classes, opera immanentia per se, que são as opera personalia (geração, filiação, espiração), e as opera immanentia donec exeunt, que são as opera essentialia, isto é, as obras do Deus triúno, em distinção das obras de qualquer das pessoas da Divindade, mas imanentes em Deus até se concretizarem nas obras da criação, da providencia e da redenção. Os decretos divinos constituem esta classe de obras divinas. Não são descritas abstratamente na Escritura, mas são colocadas diante de nós em sua concretização histórica. A Escritura emprega diversos termos para o eterno decreto de Deus. 1. TERMOS DO VELHO TESTAMENTO. Há alguns termos que acentuam o elemento intelectual do decreto, como ’etsah, de ’ya’ats, aconselhar, dar aviso, Jó 38.2; Is 14.26; 46.11; sod, de yasad, sentar-se junto para deliberação (nifal), Jr 23.18, 22; e mezimmah, de zamam, meditar, ter em mente, propor-se a, Jr 4.28; 51.12; Pv 30.32. Além destes, há termos que salientam o elemento volitivo, como chaphets, inclinação, vontade, beneplácito, Is 53.10; e ratson, agradar, deleitar-se, e, assim, denotar deleite, beneplácito, ou vontade soberana, Sl 51.19; Is 49.8. 2. TERMOS DO NOVO TESTAMENTO. O Novo Testamento também contem certo número de vocábulos significativos. A palavra mais geral é boule, que designa o decreto em geral, indicando também o fato de que o propósito de Deus se baseia num conselho e deliberação, At 2.23; 4.28; Hb 6.17. Outra palavra um tanto geral é thelema que, quando aplicada ao conselho de Deus, dá ênfase ao elemento volitivo, e não ao elemento deliberativo, Ef 1.11. O vocábulo eudokia acentua mais particularmente a liberdade do propósito de Deus, e o prazer de que vem acompanhada, embora nem sempre esta idéia esteja presente, Mt 11.26; Lc 2.14; Ef 1.5, 9. Outras palavras são empregadas mais especificamente para designar aquela parte do decreto divino que pertence num sentido muito especial às criaturas morais de Deus, e é conhecida como predestinação. Estes termos serão considerados em conexão com a discussão desse assunto. (Teologia Sistemática – Louis Berkhof. Pg. 94)